Cash Out nas Apostas Desportivas, Como Funciona Guia do Apostador

Cash Out nas Apostas Desportivas, Como Funciona? Guia do Apostador

Ganhe Dinheiro com Futebol

Sejam bem-vindos, investidores desportivos!

Os nossos leitores, que já apostam ou estão a dar os primeiros passos nesta indústria, muito provavelmente, já terão ouvido falar, ou já se confrontaram com o Cash Out, todavia, saberão o que é e como funciona?

Eis a nossa proposta e desafio para este artigo, concretizar um pouco mais acerca do Cash Out.

Estima-se que o sistema ou funcionalidade de Cash Out tenha surgido, originalmente, em 2012 no universo das apostas desportivas e a sua implementação é atribuída à Casa e Bolsa de Apostas Betfair. Não se pense, contudo, que o Cash Out, ou melhor, aquilo que representa e o que se consegue atingir tenha surgido somente em 2012, porque antes, já existiam apostadores que recorriam a algo semelhante e que não é mais do que a contra-aposta.

Mas o que é o Cash Out?

Bem, o Cash Out é uma funcionalidade que permite aos apostadores receberem, de imediato, uma quantia garantida de dinheiro pelo encerramento da sua aposta, antes desta ser liquidada, ou antes de ter expirado. Tem-se vindo a popularizar entre os apostadores recreativos, porque permite eliminar da equação, um resultado negativo. Junto dos apostadores profissionais não goza de grande fama, por diversos factores dos quais se destaca a rentabilidade.

Ganhe Dinheiro com Futebol

Como se chega ao Cash Out?

A fórmula de cálculo do Cash Out compreende os potenciais ganhos, de uma determinada aposta, assim como as cotações actuais no caso do apostador estar a colocar a sua aposta no presente.

Vamos exemplificar com uma aposta de € 10 na vitória do Liverpool a uma cotação de 4,00. Chegados ao intervalo da partida, o Liverpool está na liderança do marcador, mas as cotações actuais já caíram para 2,00. Neste caso e num cenário perfeito, o valor considerado justo para fazer Cash Out desta aposta poderia ser calculado dividindo o lucro potencial da aposta realizada pela cotação disponível no momento e cuja representação será a seguinte:

Cash Out = € 10 x 4,00 / 2,00 = € 20

Repare querido leitor que escrevi “neste caso e num cenário perfeito”. E mesmo não se tendo questionado porquê, eu explico. As casas de aposta vivem das apostas e o modelo só é lucrativo devido a algo que já escrevemos em artigos anteriores, mas sobre o qual ainda não dedicamos a devida atenção que é o “juice”. Este sumo, que não é de laranja, mas de euros, é a margem de lucro das casas em todas as opções de aposta que disponibilizam. E o “juice”, está presente em todas as opções, até no Cash Out. Motivo pelo qual, provavelmente, a cotação de 2,00 que acima mencionamos poderia estar situada em 1,90 ou pior, 1,85. A consequência desta desvalorização é a perda de rentabilidade no longo prazo.

Outro bom exemplo de como funciona o Cash Out poderá ser encontrado no campeonato português, a Liga NOS. No arranque da época 2018/19, os principais candidatos à vitória do título nas mais diversas casas de aposta, eram o FC Porto e o Benfica, com cotações mais ou menos próximas. Vamos imaginar que o Benfica, antes sequer de se disputar a primeira jornada, estava cotado para vencer o campeonato a 6,00, e eu, como benfiquista que sou, investi € 100 na vitória da minha equipa. Porém e já depois dos primeiros jogos sob orientação de Bruno Lage, a casa onde fiz esta aposta oferecia-me € 150 de Cash Out, com a cotação nesse momento a cifrar-se em 3,25.

Vamos calcular de novo qual seria o valor justo para o Cash Out neste cenário?

Cash Out = € 600 (lucro potencial da minha aposta) /3,25 (cotação actual) = € 184,61.

Veja bem, querido leitor, a diferença: € 34,61 de diferença ao accionar o botão do Cash Out, € 34,61 de lucro para a casa de apostas.

É devido a estas diferenças tão avultadas, que esta opção não goza de grande popularidade entre os apostadores profissionais e aqueles que se dedicam a “batalhar” contra as casas de aposta, procurando apostas de valor.

Mas o Cash Out é totalmente inútil?

Não, de todo. De outro modo não existiria.

O Cash Out pode ser útil e apresentar-se como solução alternativa para um apostador quando, por exemplo, a aposta feita no Benfica para vencer a Liga NOS tenha “empatado” demasiado capital que estamos a necessitar, no presente, para investir em outras apostas. Ou seja, o Cash Out pode revelar-se uma solução para apostas de longo prazo, cujos capitais investidos se revelem necessários para outros investimentos.

Sendo muito raro, pode verificar-se que o valor de Cash Out pode superar o valor de mercado, ou seja, a quantia que a “nossa” casa de apostas nos paga pelo Cash Out daquela aposta é superior às cotações disponibilizadas por outras casas de aposta. Tal permite-nos suspeitar de um valor de Cash Out superior ao valor justo e levar-nos a aceitá-lo, para reinvestir e maximizar o retorno.

Porque não se deve utilizar o Cash Out como sistema?

Esta é muito simples. Lucrar consistentemente, com valor esperado positivo através de Cash Out é muito difícil devido a diversos factores tais como, a maior capacidade de cálculo e rapidez no ajuste das cotações das casas de aposta, o persistente “juice”, entre outros, mas supondo que existe, em todo o mundo, um apostador que descobriu como fazê-lo, o resultado será a limitação da conta ou, no limite ser banido da(s) casa(s) de aposta.

É também por isto que os apostadores profissionais utilizam algo designado por “hedging”, ou em português, cobertura. De uma forma muito simples e resumida (demasiado, quiçá) cobrir uma aposta feita é apostar em outra equipa no mercado. Imagine de novo o exemplo do vencedor da Liga NOS, cuja aposta original foi no FC Porto, mas a dada altura teria sido avisado cobrir esta aposta com uma nova, na vitória do Benfica, com um valor que permitisse lucrar, independentemente de vencer um ou outro.

Um bem haja!

Ganhe Dinheiro com Futebol
Sobre o Autor

Helder Queimado

O meu nome é Hélder Queimado e comecei no mundo das apostas como muitos. Um amigo comentou uma aposta feita na antiga Betandwin e aguçou a minha curiosidade. À curiosidade juntou-se o bónus de boas-vindas e isso foi o que bastou para me registar, depositar e começar a apostar, certo de que tinha encontrado uma galinha de ovos de ouro. Naquela altura a ignorância era enorme e a técnica para colocar apostas era o "achismo". Nenhuma gestão de banca, nenhum controlo de stakes, nenhum estudo preliminar, apenas meia-bola e força. Fácil compreender que a primeira banca foi entregue à casa de apostas. Mais tarde e muito por força da atenção mediática dada aos apostadores profissionais portugueses, decidi abrir conta na Betfair e fui atrás de conhecimentos, técnicas, compreender como estes conseguiam viver exclusivamente de apostas e alguns até, ser milionários. Nesta altura já conhecia os termos, mas não os dominava. Ouvia falar de consistência e achava que era ganhar todos os dias. O que lucrava num dia acabava por perder no dia seguinte. Cheguei à conclusão que precisava de melhorar, aprender, aperfeiçoar. Ao longo deste período fui apanhado pelo processo de legalização e acabei por guardar este projecto numa caixa e escondê-la no fundo do armário. O lançamento do Placard trouxe de novo "o bichinho" e lancei-me na procura de conhecimento, na experimentação e sobretudo, na especialização. Facto que nenhuma das casas legalizadas em Portugal me poderia oferecer os preços que eu necessitava para crescer, evoluir e acima de tudo, procurar o Longo Prazo. Confesso que o último semestre de 2017 e o primeiro de 2018 revolucionaram a minha percepção sobre a indústria e transformaram, completamente o meu paradigma permitindo-me projectar com clareza aqueles que são os meus objectivos e o caminho que devo seguir para concretizar os meus sonhos nas apostas. Actualmente, considero-me especialista no mercado de golos e procuro trabalhar de forma profissional com casas de apostas profissionais. Procuro publicar regularmente as minhas análises que ultrapassam a simples sugestão de aposta porque, considero muito importante um apostador ter a capacidade de redigir os factos apurados e justificar a sua aposta, de maneira a que muitos o compreendam e não apenas o próprio. Tal, permite-me confirmar o meu prognóstico ou, em alguns casos revê-lo e alterá-lo. Não vivo exclusivamente de apostas porque ainda não realizei todos os passos que necessito, mas, não tarda. Despeço-me com um forte abraço. Hélder M Queimado

Deixe Aqui o Seu Comentário ou Opinião, Obrigado!

avatar
  Subscrever  
Notificação de